terça-feira, 4 de agosto de 2015

Sobre rituais...



      E o ritual começa: chego da faculdade, rodo a casa em busca de pessoas interessadas em uma conversa, procuro algo pra comer, troco de roupa, tiro a maquiagem, brinco com a nega (minha filha de quatro patas) e com a pocotita (minha afilhada de quatro patas), deito! Aaaaah, minha cama! Não existe nenhum lugar melhor que ela. Como qualquer garota de 18 anos do século XXI, está na hora do meu celular, dou uma checada em todas as redes: WhatsApp, Facebook, Instagram, Snapchat e YouTube. Isso pode demorar minutos ou horas, depende do dia. Logo após vem ele: meu computador! Ai sim, que tudo começa! Agora fudeu! Coloco meus óculos e lá se vão horas e horas! Às vezes vendo uma série ou filme, vendo vídeos no YouTube, arrumando algumas pastas, escrevendo, depende! Mas tudo nele é convidativo. 

        E o ritual começa: faço um cappuccino com toddy (beeeem quente <3 ) , troco de roupa, ligo minhas luzinhas, cubro a preta (minha filha de quatro patas) com minha coberta, deixo o quarto o mais aconchegante possível, coloco o celular pra carregar, procuro meus óculos que eu nunca sei onde deixei e... pego um livro! Agora fudeu! Bye bye sono, bye bye qualquer coisa que eu precise fazer. Fui sugada pelo livro e, tamanha a minha imersão, que não lembro nem onde estou. Só quero aproveitar cada segundo naquele mundo novo! 

       E o ritual começa: tiro minhas roupas, dou aquela checada no espelho, ligo o chuveiro - alguns segundos de silêncio... - com o chuveiro já beeem quente: eu entro. Agora fudeu! Só não se vão horas e horas porque tenho consciência que a água está acabando. Mas, são nesses momentos, que todas - ou quase todas -  as minhas ideias e divagações são colocadas no lugar. É ai que compreendo algumas coisas e me questiono de outras. Não sei porque, mas, com a água caindo sobre mim, parece que vai levando todas as dúvidas e colocando as coisas no lugar. Não quero sair mais...

        E o ritual começa: deito a cabeça sobre um travesseiro e abraço outro. Preta nos meus pés e as luzinhas acessas (sabe aquelas de árvore de natal?). Enquanto estou fazendo alguma coisa fico deitada para a esquerda. Assim que quero dormir viro para a direita. Cubro um pé só, abraço um pouco a coberta deixando a bunda e as costas descobertas e envolvo minha cabeça totalmente, deixando apenas o nariz de fora. Durmo!

         E o ritual começa: 16 hrs - tenho que tomar banho!
                                       16 hrs e 15 min - tenho mesmo que ir tomar banho!
                                       16 hrs e 40 min - finalmente vou!
20 minutos de banho, mais 30 minutos fazendo minha maquiagem (não abro mão desse tempo!), mais alguns minutos pra escolher a roupa, agora é a hora do cabelo, "tchau mãe, tchau pai, tchau Érica", ônibus! Agora fudeu! Pego meus fones, músicas no último volume (hello Katy!). Me perco nos meus pensamentos, às vezes até esqueço que estou no ônibus e tenho mini infartos achando que perdi o ponto! Às vezes acho que penso demais...

     E qual o sentido de tantos 'rituais' diferentes? Afinal, odeio rotina!
     Aaah...
     O segredo é outro.
     É como me sinto cada dia que passo pelas mesmas coisas.
     A situação pode ser a mesma, mas eu mudei. Mudo todos os dias.
     Essas são as horas que paro pra pensar, pra refletir e encaixar as coisas. 
     E não abro mão desses momentos tão importantes pra mim.

Bárbara Aguiar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas Resenhas