sábado, 17 de janeiro de 2015

Delirando sobre... Escolas americanas e preconceito


Antes de qualquer coisa, quero deixar bem claro que tudo que eu disser aqui é baseado nos livros que leio e nos filmes que vejo.
Hoje eu vim desabafar um pouquinho. Depois de ler Tipo Destino (resenha aqui) fiquei furiosa com algumas coisas. Talvez na vida real não seja exatamente assim que as coisas acontecem. Mas como a maioria dos livros e dos filmes que se passam nas escolas americanas são assim, devo acreditar que pelo menos um pouco disso tudo é verdade.


O ano escolar nos EUA é diferente daqui. Começa em setembro e termina em junho, eles tem dois meses de férias e o resto do ano só estudar. Acho interessante os alunos poderem escolher algumas matérias, tipo teatro, artes... Isso deveria ser mais incentivado aqui no Brasil. Mas para quê tantos grupos?

Sério, todo livro que leio mostra um grupo diferente. Pessoas em prol do meio ambiente formam um, os amantes da Arte formam outro. Os nerds, os atletas, as líderes de torcida, os grupos de estudos, monitores... Tem de tudo! E todos os membros desses grupos tem que andar juntos, lanchar juntos, sair juntos. Qual o problema de se misturar? De andar com pessoas diferentes?
Na minha escola não tinha isso. Meu grupo de amigos era muito diversificado. Cada um era de um jeito, faziam coisas diferentes e todos lidavam muito bem com isso. Aliás eu sinceramente acho que isso faz muito bem para as pessoas. Conviver com o diferente é muito difícil, mas nos faz crescer. Pessoas acostumadas a conviver com o mesmo grupinho de amigos parecidos com elas e fazer as mesmas coisas sempre acabam criando preconceitos. E esse é um dos motivos de eu estar aqui desabafando. Por causa do preconceito.
Para quê tanto preconceito? Será que já não estamos evoluídos o suficiente para aceitar as diferenças? Preconceito contra negros, brancos, pessoas acima do peso e abaixo do peso, homossexuais, altos, baixos, nerd, atleta... todos nós somos diferentes mas somos seres humanos, temos a mesma raça. Somos ao mesmo tempo iguais!

Existe ainda o preconceito contra outras religiões. Mas para quê? Se todos nós vamos morrer? Vai acontecer a mesma coisa a cada um de nós. Então ninguém é melhor do que ninguém. Precisamos ter mais humildade e respeito. É isso que falta nas pessoas.

Em Tipo Destino, Lani, a principal, se apaixona pelo namorado da melhor amiga, e como a sociedade vive de padrões isso vira uma enorme fofoca na escola. Só que toma proporções extremamente exageradas. Todos olham para ela como se ela tivesse feito um crime sendo que o que ela fez foi algo mais comum do que se imagina.
Mas o pior não são as outras pessoas te julgando, o pior é você aceitar o julgamento dos outros e fazer exatamente o que eles querem. Você não pode privar seus sentimentos, suas vontades, por causa de ninguém! Não pode ceder aos preconceitos, ás críticas, aos julgamentos de pessoas que também erram, pessoas que não são melhores nem piores que você! Seja você mesmo! Não importa o que os outros pensam. A vida é curta demais para ser outra pessoa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas Resenhas